Blog

Dicas para se preparar para a prova de Linguagens do ENEM

Publicado em 02/11/2020

A prova de Linguagens do ENEM, que envolve língua portuguesa e estrangeira, é longa e densa, com textos extensos e exigência de habilidades de interpretação ainda maiores do que nas outras áreas. Apesar de abordar conhecimentos de várias disciplinas, as questões referentes à Língua Portuguesa são as mais recorrentes. Pensando nisso, Mariana Bruno Chaves – especialista em Linguagem das Artes – gerente de desenvolvimento de material didático de Língua Pátria do Kumon, preparou algumas dicas que podem te ajudar no processo de estudos e de preparação para o exame. 

 

Conteúdos mais cobrados na Prova de Linguagens: 

1) Interpretação de textos (inclusive de gráficos, infográficos e figuras)

Questões com textos e alternativas volumosas, o que exige altíssimo nível de atenção e concentração.

2) Literatura e arte (especialmente Romantismo, Realismo e Modernismo)

É essencial conhecer as escolas literárias, seus representantes, principais características e também o contexto histórico em que estão inseridas, uma vez que Literatura e História estão sempre juntas!

3) Gêneros textuais e suas características; variantes linguísticas e norma culta

As variações linguísticas são “prato cheio” no Enem. Por isso é fundamental saber identificar e discernir em que situações se deve usar a norma culta, qual é a linguagem típica da internet, de propagandas, de textos jornalísticos e de outros gêneros textuais.

4) Ambiguidade e figuras de linguagem

As figuras de linguagem também aparecem frequentemente no exame. Entender o significado e saber identificá-las é fundamental! Metáfora, eufemismo, hipérbole e sinestesia são somente algumas delas. Para ter êxito em uma questão que abordar esse assunto, é preciso conhecer e identificar as figuras, que invariavelmente estarão inseridas em um texto.

A especialista alerta que além dos conteúdos tradicionais, que fazem parte do currículo, é indispensável ao candidato o hábito de leitura da maneira mais ampla, ou seja, desde os clássicos literários à literatura contemporânea, passando por sites de notícias, revistas e jornais impressos.

“Tirinhas, revistas científicas e de curiosidades também são importantes. Os anúncios publicitários, por exemplo, são “pedida certa” para a análise linguística: tudo o que se oferece à leitura é um texto, logo, estamos sempre inferindo e interpretando, faz parte do cotidiano”, afirma Mariana.  

 

Dicas para o estudo:

Mariana Bruno Chaves ressalta a importância de o candidato desenvolver e aprimorar sua capacidade linguística: “É preciso estudar em um ambiente que estimule a concentração e ofereça recursos (dicionários, livros de referência), precisa também criar alguns hábitos e rotinas”. Confira as dicas da especialista:

* estude um pouco todos os dias;

* selecione um horário para o estudo e procure seguir sempre esse horário;

* reserve um tempo do seu dia para ler devagar. (Uma das maiores dificuldades de quem precisa ler muito é a falta de concentração.);

* leia o texto em voz alta sempre que sentir dificuldade. (Essa prática auxilia muito na compreensão textual, já que, quando lemos em voz alta, não apenas decodificamos as letras visualmente, mas também escutamos aquilo que está sendo decodificado, podendo, assim, verificar o sentido do que está escrito ao mesmo tempo em que aguçamos nossa percepção.);

* leia primeiro os enunciados para saber o que está sendo pedido. (É preciso ler os enunciados e as alternativas com atenção, buscando fazer as possíveis conexões.);

* durante o estudo, faça anotações, paráfrases e comentários. (Para conseguir compreender um texto, é recomendável fazer uma paráfrase, que nada mais é do que uma explicação ou uma nova apresentação do conteúdo, seguindo as ideias do autor. Comece sublinhando as ideias principais, selecione as palavras-chave que identificar no texto, se precisar desenhe o esqueleto do texto em tópicos ou em pequenas frases. Você pode usar setinhas, canetas coloridas para diferenciar as palavras do seu esquema. Depois de encontrar as ideias ou palavras básicas, reescreva o texto de acordo com seu entendimento, expressando sua opinião sobre o tema.);

* procure informações extras sobre os textos, livros ou matérias estudadas;

* ao ler textos, atente-se também às ilustrações. (Além de ajudar a formar a imagem do que está sendo lido, as ilustrações complementam o entendimento do texto.);

* na leitura, comece lendo livros sobre os assuntos preferidos – até mesmo por gibis e revistas.

 

“O estudante que desenvolve sua habilidade de leitura adquire um vocabulário mais amplo, tem mais facilidade em compreender os elementos textuais e, assim, consegue aplicar esse conhecimento em todos os tipos de textos. Dessa maneira, os enunciados dos exercícios, a narração de feitos históricos, as descrições dos textos de geografia e química, por exemplo, deixam de ser ‘monstros enigmáticos’ e se tornam textos que podem ser ‘decifrados’ facilmente”, afirma a especialista.

 

Mais posts